Associação protetora dos direitos do coentro

Publish date:

Autor Aulicino, Roberto

Viver em um mundo politicamente correto pode ser bem chato. Recebi recentemente um meme(1), dizendo que basta um indivíduo postar sua opinião do tipo: eu odeio coentro,para que, instantaneamente, um grupo de haters(2) se una para fundar a associação protetora dos direitos do coentro. Caetano é quem está certo quando diz em sua música Sampa, “Narciso acha feio tudo o que não é espelho”.

O fato é que, exceto nas questões indecifráveis do coração, o ser humano prefere mesmo é ficar próximo de seus iguais. A convivência fica muito mais fácil quando nos reunimos com os de nossa “espécie”: solteiros com solteiros, engenheiros com engenheiros, evangélicos com evangélicos, homens com homens. Conversar com pessoas com confirmem nossa visão infla nosso ego, aumenta a confiança, reforça a autoestima. O bem querer é automático, recíproco e inconsciente. Mas acima de tudo, a questão é que dá muito menos trabalho concordar!

No entanto, no ambiente profissional não é possível conviver exclusivamente com os membros de nossa tribo. É preciso dividir espaço e até colaborar com pessoas diferentes em termos de gênero, classe social, raça, opção sexual, educação, geração e até com crenças conflitantes. E aí, como conciliar essa dicotomia? A tendência, mesmo que inconsciente, é contratar ou promover apenas os de nossa espécie. Afinal, vamos combinar, discordar é exaustivo! Aquele profissional que tem outra perspectiva do mundo, questiona o status quo, propõe novas ideias, dá trabalho, consome tempo dos gestores! Porém há que se considerar que um ambiente profissional cordato é inóspito para a inovação!

Assim, para garantir sua perenidade, as organizações precisam refletir internamente a diversidade existente no mercado. Sem um ambiente empresarial diverso será difícil surpreender seus consumidores (ou os consumidores de seus clientes) com produtos ou serviços que eles ainda nem sabem que precisarão.

Bem, não posso finalizar sem assumir uma posição sobre a questão central desse artigo. Sim, eu confesso, sou a favor do coentro! E se você não concorda com o meu paladar, tudo bem! Mas por favor não me exclua de seu grupo por conta disso. Faça um esforcinho e tente respeitar a diferença. Pelo menos hoje, no dia Internacional das Mulheres.

—ooo—

Sirlene Cavaliere, diretora de Comunicação e Marketing e líder do Programa de Mulheres da Capgemini no Brasil. Mulher, executiva, formada em Letras, MBA em Marketing, Pós em Administração de Empresas e, acima de tudo, adora coentro e é viciada em séries de TV fechada.

  1. meme: imagem, vídeos ou gifs que se espalham via Internet.
  2. Haters: os que odeiam ou aqueles que adoram odiar.
cookies.
By continuing to navigate on this website, you accept the use of cookies.
For more information and to change the setting of cookies on your computer, please read our Privacy Policy.

Fechar

Fechar informações de cookies